Como foi com você? Avalie uma empresa

Na voz de mães, pais e cuidadores/as
0

O GPS parentsIN nasceu com um propósito: facilitar que profissionais com filhos/as encontrem  a melhor empresa para trabalhar e viver carreira e família juntos.

 

A chegada de filhos/as é um ponto de inflexão na vida no qual prioridades mudam e conciliar carreira e família é uma prioridade: 8 em cada 10 profissionais afirmam que mudariam de emprego para poder acompanhar melhor o crescimento das crianças.

 

Também é fato que chegada de filhos/as penaliza principalmente às mulheres no mercado de trabalho e durante os processos seletivos.

Especialmente neste contexto de pandemia pelo COVID-19 às profissionais mulheres com filhos de até 10 anos foram as mais impactadas, sua taxa de empregabilidade no mercado de trabalho atingiu o menor nível em 30 anos (IPEA).

 

Então:

 

❓ Onde dar o próximo passo profissional para viver carreira e família juntos?
❓ Como ter certeza se a empresa realmente vive a cultura e entende a importância de viver carreira e família juntos?
❓ Como evitar empresas que penalizem as mães?
❓ Como encontrar empresas que consideram o cuidado das crianças um investimento coletivo e não apenas uma responsabilidade das mulheres?

Encontre as melhores empresas para trabalhar e viver a carreira e família juntos conhecendo as experiências de mães, pais e cuidadores.

 


Na voz de Mães, Pais e Cuidadores/as

Compartilhe sua experiência, sem receios: todas as avaliações são anônimas, cuidamos de você e de suas informações pessoais e nenhum dado pessoal será compartilhado com as empresas nem com terceiros.
Estas avaliações serão utilizadas unicamente para ajudar mães, pais e cuidadores/as a encontrar empresas que entendam, na prática, a importância da integração entre carreira e família.

 

⭐ Participou de um processo seletivo e se sentiu discriminada por ser mãe? Conte aqui sua experiência.

⭐ Como a empresa acolheu você durante a pandemia? Compartilhe como foi.

⭐ Como foi a volta da licença maternidade na empresa na qual você trabalha?

⭐ Como é o nível de flexibilidade na sua empresa?

⭐ Você amou como a empresa cuida de profissionais com filhos/as e gostaria de indicar, vamos adorar conhecer!

 

Como foi sua experiência com a empresa como profissional & mãe, pai, cuidador/a?

2.8
Rated 2.8 out of 5
2.8 de 5 estrelas (baseado em 10 revisões)
Excelente20%
Muito boa30%
Mediana0%
Ruim10%
Péssima40%

 

Avaliações Recentes

FUNDAÇÃO RENOVA

Rated 4 out of 5
27 de fevereiro de 2021

Contratante me acionou pela manhã, conversamos e ela disse: Bacana, você sabe do assunto, teria como vir aqui na empresa para conversarmos?
Fui no mesmo dia… a pergunta Tem filhos? foi feita… mas por incrível que pareça, terminou ali, não estendeu… ela realmente queria saber como eu resolvia os problemas e o que eu dominava.
Não perguntou onde eu morava, com quem, nada… No final do dia me ligou, às 19h: VOCÊ ESTÁ APROVADA, pode começar na terça.
Foi uma entrevista ímpar, apesar de eu não ter aceito a proposta por motivos de remuneração e distância, mas a profissional foi excelente!

Analista de RH

COZINHAS ITATIAIA

Rated 1 out of 5
27 de fevereiro de 2021

Processo seletivo em 23/12/2020 – entrevista de um dia para outro, via Aplicativo Team.
Ei tudo bem! sou mãe também fique tranquila!
Me diga como organiza sua rotina com as crianças? Tem rede de apoio?
Nossa gostei muito do teu perfil, mas essa vaga exige 60% do tempo em outra cidade.

Analista de Treinamento

ENGIE SOLUÇÕES

Rated 1 out of 5
27 de fevereiro de 2021

Realizei entrevista no fim de 2020, as perguntas foram:
Casada? Há quanto tempo? casou com qual idade? O que seu esposo faz?
Nada contra ser mãe, por favor não pense que essas perguntas irão te eliminar: Quantos filhos vc tem? Qual idade? Estudam?
Olha, gostei do teu perfil, agora passarei para O Gestor da vaga, pois ELE é quem precisa aprovar.
Resultado após 1 mês = Agradecemos o interesse, você não foi selecionado.

Recursos Humanos

Id Assessoria em Eventos

Rated 1 out of 5
25 de fevereiro de 2021

O meu caso não foi durante a pandemia, foi há 6 anos.
Trabalhava como produtora executiva de eventos e era uma funcionária impecável, até recebia feedbacks do tipo.
Engravidei e trabalhei até o último momento. Com um barrigão fazendo eventos sem parar.
No final da minha licença maternidade, já sabendo do risco, perguntei pro RH se queriam que eu voltasse realmente, a resposta foi: “sim! Você faz muita falta por aqui!”.
Então iniciei o desmame do meu filho, para conseguir voltar ao trabalho.
Na primeira semana após a minha volta, me demitiram. A justificativa foi que, com bebê em casa, eu não poderia mais ficar em montagens de madrugada, ou trabalhar 12h por dia ou viajar toda semana.
Pelo menos foram sinceros…
Essa empresa nem existe mais no mercado, em contrapartida a minha empresa está indo bem apesar da crise. O mundo dá voltas.

Founder @ Castfy

Mahle Minas Gerais

Rated 1 out of 5
15 de fevereiro de 2021

Foi uma experiência para nunca mais ser revivida. Acredito que a região também tem sua influência na empresa, uma vez que Minas Gerais já foi apontado como um dos estados mais machistas no Brasil. Ser mulher , ser mulher mãe, aliás mulher mãe de criança pequena e separada é realmente um título que pesa negativamente nesta empresa. Quando estudamos sobre a revolução industrial e ficamos boquiabertos com àquele desrespeito com ser humano e principalmente com a mulher no século XVIII achamos que é coisa do passado e em pleno século XXl não há espaço para este retrocesso …. pois pasmem, nesta empresa trata se de algo corriqueiro , ir ao toilet, atender ligações urgentes , pegar um simples copo de água ou até mesmo atender a um chamado do serviço precisa do aval do superior direto que normalmente orienta a não fazê lo. Eu Via funcionários com problemas de saúde por não se hidratarem, síndrome do pânico pela pressão sofrida , suicidios e feminicídios de colaboradores da fábrica. Algo corriqueiro que no período de pouco mais de um ano presenciei em números a passar dos dedos de uma mão (dos que cheguei a ter conhecimento pois muitos eram abafados logicamente por se tratar de índices negativos a empresa) . Os cargos de chefia eram TODOS tomados por homens, casados e com mulheres donas do lar, as que conheci forcadas a serem donas do lar. Mulheres casadas e com filhos tinham cargos nível Júnior no máximo pleno, porém isso não as isentava de ter uma cobrança pesada. Necessidade para acompanhar filhos em médicos era somente autorizado 1 única vez anualmente, e não permitido em hipótese alguma mais do que está vez, em casos de problemas de transtorno mental(muito comum hj em dia com ansiedade e estresse pós traumático etc) eram completamente ignorados como uma necessidade de atenção da mãe. Com tamanha pressão muitas mulheres da empresa preferiam não casar, não ter uma vida social já que horas extras eram comuns ou até mesmo preferiam não ter filhos já isso soaria como algo negativo que as tirariam do ambiente de trabalho. Os Líderes Não conseguem ver que geramos vidas que no futuro estarão lá para continuar um legado, que pagarão impostos e manterão o país caminhando…. acabamos criando crianças e futuros adultos com baixa auto estima, temerosos de aprender e crescer , e por conseguinte , não progredindo sendo fracos em propósitos em ideias em melhorias e aceitando o pior ao invés de buscar pelo melhor. Deixando o país a mercê de adultos apáticos , problemáticos, rebeldes e irresponsáveis. Bom, tive a sorte de ser desligada…. confesso nunca ter ficado tão aliviada em toda minha vida, pois pra minha sorte maior já tive experiências em empresas de diferentes Ramos em outros estados e que valorizavam o profissional independente do sexo. Tenho total convicção que contribui com meu melhor, o melhor que permitiram eu divulgar e trabalhar e deixar como legado…. abaixei a cabeça no início, tentava entender como tudo funcionava , tentava entender a cultura e tentava entender o que poderia fazer de melhor , mas quando vi que ameacava o ego de alguns e outros temiam minha força, temiam perder o cargo com minha resiliência , percebi que não deveria abaixar a cabeça senão viraria zumbi como os demais e fui criada para sempre fazer meu melhor nunca me acomodar com o pior…. Foi uma experiência e tanto …. uma experiência para nunca mais vivê lá… uma experiência que não só afetou a mim como a minha cria , a minha saúde , a saúde dos que conviviam comigo e tentavam me ajudar …. e desvendou que ainda existe muito a ser trabalhado no Brasil no quesito de valorização do trabalho do profissional honesto, do profissional mulher, valorização da criação de uma criança de um futuro , valorização do respeito mútuo e da dignidade humana….

Analista de controladoria

 

Avalie uma empresa